Avançar para o conteúdo principal

Graças à Kickstarter, Nova Iorque terá um parque subterrâneo que receberá luz solar

 
Uma equipa interessada de inventores, designers e estrategistas conseguiram passar um obstáculo fundamental que era trazer o primeiro parque subterrâneo do mundo para Nova Iorque. Utilizando a sua própria tecnologia solar de ponta, a equipa pretende fazer um parque rico em folhagem, plantas e árvores por baixo da rua Delancey, na zona este da cidade. Para finalizar, os projetos para este parque revolucionário seria renovação do antigo Williams Bridge Trolley Terminal, dando assim uma nova vida a um ponto de referência abandonado.
Chamado Lowline, este projeto levou recentemente a intenção da Kickstarter arrecadar 200 mil dólares para ajudar a financiar as instalações de testes, para convencer a cidade a aprovar o projeto. Ao longo da campanha, a Lowline conseguiu arrecadar uns impressionantes 223,506$, permitindo-lhes luz verde para construir as instalações de testes que precisavam. Esta instalação, chamado Lowline Lab, irá habitar num antigo armazém, onde se faziam mercados, que está a poucos metros do local pretendido para construir o parque, e deverá servir como a última paragem antes da produção subterrânea começar.
 
Usando o armazém nas proximidades para o teste, a equipa planeia instalar a sua tecnologia avançada para recolher a luz solar, que é composta por quatro partes diferentes de trabalho. Primeiro, painéis solar concentram a luz para tubos subterrâneos chamados Irrigadores. Estes tubos em seguida distribuem a luz solar ainda mais subterrâneo para os Distribuidores, que refletem e distribuem o espetro de luz para o Lowline Lab. Usando esta tecnologia, a equipa tem a capacidade de cultivar plantas que prosperam numa área tipicamente escura, criando um espaço que lembra um parque de uma cidade. Os planos para os testes da Lowline Lab estão programados para decorrer entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016, dando assim várias informações para a equipa aperfeiçoar o projeto em escala real.
Embora o projeto ainda esteja no início, a equipa já reproduziu uma versão em pequena escala por volta de 2012 após outra campanha da Kickstarter ter sido bem sucedida. A versão Lowline de 2012 contou com a tecnologia solar semelhante e criou um parque que conseguiu ter vida para as pessoas visitarem e passearem por lá. Depois de receber bom feedback dos visitantes do laboratório, organizações jovens, e anfitriões de apoiadores e assessores, a Lowline voltou ao negócio, desenvolvendo assim novas ideias e tecnologias para o projeto final.
Com a avançada tecnologia solar, mais uma campanha bem sucedida da Kickstarter, e ainda mais com a ajuda de diretores e conselheiros, a Lowline irá finalmente ter o primeiro parque subterrâneo do mundo movido a energia solar. Este não é apenas um grande paço para a Lowline, mas sim para Nova Iorque, permitindo assim às pessoas que habitem lá celebrar mais um marco histórico. Além disso, este parque dá à energia solar outro grande feito impressionante.
Fonte:
Digital Trends
Imagens retiradas de:
lowline

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

A China está a construir o maior radiotelescópio do mundo em Guizhou

Técnicos já começaram a montar o maior radiotelescópio do mundo, chegando a ter o tamanho de 30 campos de futebol, nas montanhas de Guizhou, a sudoeste da China.

Dia 23 deste mês, os mesmos, começaram a montar os refletores da parabólica, que tem 500 metros de diâmetro e é feito de 4,450 painéis, Cada painel tem a forma de um triângulo equilátero com os 3 lados a medirem 11 metros de comprimento.

Uma vez completo, antena parabólica esférica chamada FAST será a maior do mundo, superando a de Arecibo, em Porto Rico, que tem 300 metros de diâmetro.

Nan Rendong, chefe cientista do projeto FAST em conjunto com o Observatório Nacional da Academia Chinesa de Ciências, reportou aos meios de comunicação que este radiotelescópio será capaz de captar sinais mais fracos.

"Um radiotelescópio é como um ouvido sensível, podendo ouvir mensagens de rádio significativas de ruído branco no universo. É como conseguir ouvir o som de cigarras numa tempestade", disse.

A antena parabólica está a s…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …