Avançar para o conteúdo principal

NASA está a considerar fazer terraformação na Lua com robôs autónomos

 
Há poucas coisas completamente fascinantes como o espaço e robôs, e a NASA decidiu dar meio milhão de dólares a um projeto para juntar estes dois, porque, bem... ciência. Avançando para a Fase 2 da NIAC, a NASA selecionou uma proposta única que seria, essencialmente, transformar uma das crateras da Lua num habitat para robôs autónomos e talvez, um dia, para os humanos.

A proposta, que vem do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, California, tem o objetivo de enviar um exército de robôs para a Cratera Shackleton para se instalar uma série de transformadores movidos a energia solar. Estes transformadores irão então permitir que os robôs desenvolvam um ambiente hospitaleiro para análises de laboratório cientifico e criar uma base de operações na cratera, que contém grandes quantidades de hidrogénio líquido e oxigénio. Segundo o cientista Adrian Stoica - o que propôs este trabalho - a criação deste hidrogénio e oxigénio líquido faria as viagens interplanetárias uma possibilidade mais viável.

O que faz a Cratera Shackleton ser uma localização tão atraente para este grande projeto de terraformação é o seu enorme tamanho (cerca de 336 km²), bem como o fato de que é rodeado por alguns picos chegando aos 4 km de altura. A NASA quer que a sua frota de robôs se estabeleça numa cratera colossal quase duas vezes o tamanho de Washingtion DC. Além disso, os cientistas já concluíram que há 3 anos a Cratera Shackleton - localizada no Polo Sul da Lua - continha uma grande quantidade de gelo. Enquanto que os robôs não têm a grande necessidade de água, esta pode vir a garantir a vida humana na Lua.

Para a sobrevivência dos robôs, cada um requer uma quantidade substancial de calor e de energia eléctrica para funcionar corretamente. Isto porque, o interior da Cratera Shackleton não recebe luz solar - e está sempre a uma temperatura de -173ºC - a primeira tarefa dos robôs será a criação de uma serie de refletores solares para apontar a luz do Sol para dentro da cratera. Para configurá-los, rovers lunares irão transportar os refletores em redor da cratera para obter luz solar. Cada refletor possuirá a capacidade de incidir a luz até 10 km de profundidade, que por sua vez alimentará cada grupo separado com cerca de um megawatt de energia. Com vários rovers lunares a emitir a luz solar a partir dos aros na cratera, a NASA planeia construir um oásis sustentável e orientado para dar aos robôs um recurso para se recarregarem, aquecerem e operar o equipamento.

Embora a NASA tenha recentemente compensado esta proposta de 500 mil dólares por um período de dois anos, não fique muito animado em ver este plano em ação muito brevemente. A equipa por trás desta proposta está atualmente a elaborar um projeto para um refletor capaz de caber numa caixa com apenas 1 m³, que pese não mais de 100 kg, e que tenha 3 km de cobertor espacial com 95% de refletividade a longo prazo.

Fonte:
Digital Trends
Imagens retiradas de:
Digital Trends
Wikipedia

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

GoPro anuncia Hero 6 Black, a câmara 360 Fusion e novas funcionalidade para o drone Karma

GoPro Hero 6 Black

Após uma espera ansiosa a GoPro revelou a mais recente da sua série de Heros, a Hero 6 Black, que tendo um design semelhante à Hero 5 Black, está repleta com um novo processador desenhado pela GoPro chamado GP1, que oferece melhor qualidade e desempenho de imagem.

Para os iniciantes, esta é a primeira vez que a GoPro desenvolveu e usou o seu próprio processador especializado. Este processador duplica o frame rate/fps da Hero 5 Black. Grava 4K a 60fps e 1080 a uns enormes 240fps. Praticamente falando, isto significa que o utilizador poderá reproduzir o seu vídeo de 4K a uma velocidade de 40% (se a edição final for a 24fps) e será agradável e suave.

A GoPro afirma também que a Hero 6 Black possui a mais avançada estabilização de qualquer uma das suas câmaras, mas ainda é uma estabilização eletrónica de imagem e não a estabilização de imagem ótica/OIS. A estabilização eletrónica geralmente custa um pouco de qualidade de imagem, mas a Hero 6 Black consegue gravar em 4…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …