Avançar para o conteúdo principal

"Aranha" robot da Lockheed Martin procura pequenos buracos em dirigíveis, e de seguida, corrige-os

https://www.flickr.com/photos/133013145@N08/28702256095/in/photostream/lightbox/
A indústria dos dirigíveis não é grande, mas poderia ser muito mais, e lucrativa, para os envolvidos, se houvesse uma maneira fácil e barata de reparar buracos nestes. Felizmente a Lockheed Martin está em cima do acontecimento, tendo desenvolvido uma "aranha" robot para andar por toda a cobertura do dirigível, procurando buracos reparando-os de seguida.

Os reparos são um grande problema num dirigível em andamento. Mesmo com os buracos mais pequenos, grande parte da eficiência da aeronave perde-se, por isso manter a cobertura arranjada é incrivelmente importante. Antes da existência deste robot, procurar e reparar este buracos envolvia muita mão de obra, pela cobertura, para os encontrar.
Isso parece tão século XX, de modo que os investigadores da Lockheed Martin desenvolveram a SPIDER (aranha): um "instrumento de propulsão automático para avaliação e reparação de danos nos dirigíveis". Este dispositivo tem montado uma série de fios o que faz parecer que seja mesmo uma aranha.

Na realidade, esta "aranha" funciona de forma semelhante aos imanes que se usam para limpar os tanques de peixes. A "aranha" está fixa em duas metades, uma para o exterior da cobertura e outra para o interior. Juntas, estas movem-se ao longo de toda a superfície da cobertura e, usando uma luz numa metade e um sensor na outra, vão detetando se há danos. Melhor ainda, ao detetar os danos, estas corrigem-nos de seguida e não haverá mais nenhum problema.
Porquê que a Lockheed Martin, uma das empresas empreiteiras mais avançadas em indústria aeroespacial e em forças armadas, está a desenvolver dirigíveis? Porque esta acredita que um novo design híbrido nos dirigíveis poderia ser perfeito para tarefas específicas no futuro, como o transporte de baixo custo, de socorro, ou mesmo para uso militar. "Os dirigíveis híbridos oferecem uma grande capacidade de transporte com uma economia de combustível significativa e custos operacionais reduzidos."

Não é ainda claro se a Lockheed Martin começou a compartilhar a sua tecnologia com outras empresas, mas não há duvida que outras empresas na indústria dos dirigíveis quererão também ter uma "aranha".
Veja como a SPIDER (instrumento de propulsão automático para avaliação e reparação de danos nos dirigíveis) resolve um dos maiores desafios enfrentados na indústria dos dirigíveis.

Em baixo poderá ver uma pequena explicação [em inglês] sobre o dirigível híbrido da Lockheed Martin:

Fontes:
Digital Trends
New Atlas
The Verge
Lockheed Martin
Imagens retiradas de:
YouTube

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …