Avançar para o conteúdo principal

A mais recente aquisição do Google poderá tornar o Maps um pouco melhor


A Urban Engines tem vindo a analisar o tráfego de cidades e como as pessoas se movimentam. Assim, naturalmente, faria sentido que esta companhia fosse adquirida por um conjunto que esteja interessado em fazer os seus mapas mais eficientes. E é aqui onde o Google entra. O gigante das pesquisas comprou a Urban Engines com o único propósito de melhorar o Maps.

"A nossa história começou com um engarrafamento."
"A partir desse momento, temos sido inspirados como uma equipa para tornar a navegação no mundo real mais fácil tal como a navegação virtual. Anteriormente, trabalhávamos em fazer a web mais rápida, melhor e mais personalizável. Sentimos uma oportunidade de aplicar estas lições para o mundo em que vivemos, e tornar a vida urbana melhor. Com o rápido crescimento em sensores (GPS, faróis, etc.) nos smartphones, carros e trânsito, estamos agora na era da Internet de mover coisas. O potencial de melhorar a vida de milhões de passageiros, aprendendo com padrões de comportamentos pendulares, reformulando o congestionamento e a criação de novos serviços ao consumidor a cada minuto é incrível. Na verdade, temos uma oportunidade para criar um sistema operativo urbano - uma sobreposição de software inteligente para o nosso mundo real."
urban engines 2
"Um desafio fundamental é como montar uma alta-fidelidade, um "pulso" em tempo real à escala de uma cidade, a partir deste novo tipo de dados anónimos, agregados no espaço/tempo (por exemplo, a localização e as datas). Para nós, nerds da Ciência da Computação, o espaço/tempo é um novo "tipo de dados" com uma nova escala e desafios algorítmicos. Ao longo dos últimos anos, criámos Warp - um poderoso, novo mecanismo de espaço/tempo que junta milhões de passageiros e veículos com algoritmos especiais e com uma cloud poderosa. Por exemplo, como reconstruir o fluxo de milhões de passageiros todos os dias, como analisar e aprender com dados em grande escala a partir de hotspots e otimizar as trocas em "cenários hipotéticos" usando emulações dos sistemas do mundo real (como em SimCity)." 
"Ao longo dos últimos anos, tem sido nosso privilégio servir e aprender com clientes nas Américas, Ásia, Europa, África e Médio Oriente - parceiros inovadores em prefeituras e ministérios em "cidades inteligentes" a lideres no transporte global, cada um com um único desejo para melhorar as experiências pendulares de milhões de pessoas todos os dias e fazer infraestruturas urbanas mais eficientes. Até à data, o nosso mecanismo de espaço/tempo já analisou milhares de milhões de viagens e melhorou a vida de milhões de passageiros."
urban engines 1
"Hoje, estamos muito animados em partilhar a próxima fase da nossa jornada - A Urban Engines é agora uma parte da equipa do Google Maps! A localização analítica é um foco importante para ambos Urban Engines e para a equipa do Google Maps, e estamos empolgados em combinar forças para ajudar organizações a entender melhor a forma como o mundo se move. Há muita coisa que estamos a planear construir juntos, e não podemos esperar para mostrar o que está próximo."
"Estamos verdadeiramente gratos aos nossos clientes, utilizadores, parceiros, investidores e conselheiros que se juntaram a nós para ir atrás de um problema muito desafiador. A nossa viagem para fazer os próximos quilómetros um trilião de vezes mais rápidos e melhores ainda agora começou..."
Ainda é um pouco cedo para dizer exatamente o que a Urban Engines irá trazer para a mesa, mas com base na sua história, talvez melhor rotas em torno de engarrafamentos seria uma aposta bastante segura.

Fonte:
urban engines
engadget
Imagens retiradas de:
urban engines

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

GoPro anuncia Hero 6 Black, a câmara 360 Fusion e novas funcionalidade para o drone Karma

GoPro Hero 6 Black

Após uma espera ansiosa a GoPro revelou a mais recente da sua série de Heros, a Hero 6 Black, que tendo um design semelhante à Hero 5 Black, está repleta com um novo processador desenhado pela GoPro chamado GP1, que oferece melhor qualidade e desempenho de imagem.

Para os iniciantes, esta é a primeira vez que a GoPro desenvolveu e usou o seu próprio processador especializado. Este processador duplica o frame rate/fps da Hero 5 Black. Grava 4K a 60fps e 1080 a uns enormes 240fps. Praticamente falando, isto significa que o utilizador poderá reproduzir o seu vídeo de 4K a uma velocidade de 40% (se a edição final for a 24fps) e será agradável e suave.

A GoPro afirma também que a Hero 6 Black possui a mais avançada estabilização de qualquer uma das suas câmaras, mas ainda é uma estabilização eletrónica de imagem e não a estabilização de imagem ótica/OIS. A estabilização eletrónica geralmente custa um pouco de qualidade de imagem, mas a Hero 6 Black consegue gravar em 4…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …