Avançar para o conteúdo principal

Display com plasma flutuante faz com que as fadas sejam uma realidade

Sininho Consegue ver a luz em forma de Sininho em cima? Não, isto não é CGI (imagem gerada por computador, é uma imagem real e completamente tocável. Estes displays mid-air de plasma não são tão prolíficos ainda, mas também não são exatamente novos. No entanto, as luzes criadas utilizando as técnicas existentes podem queimar a pele, uma vez que cada "voxel" (um pixel em 3D) é feito aquecendo moléculas com lasers de nano-segundos. A fim de tornar isto mais seguro ao toque, uma equipa de pesquisadores da Universidade de Tsukuba, da Universidade de Utsunomiya, do Instituto de Tecnologia de Nagoya e da Universidade de Tokyo, usou lasers que disparavam plasma a poucos femtossegundos de cada vez.
Voxels1 
Um femtosegundo é um milionésimo de um bilionésimo de um segundo, enquanto que um nano-segundo é um bilionésimo de um segundo. Estes pulsos mais pequenos não conseguem nem podem danificar a pele, fazendo com que o produto final seja tocável. Além disso, os objetos podem responder em tempo real (por exemplo, um coração ou outro desenho pode ser partido em dois quando tocado), bem como emitir um feedback tátil. A este ponto, os pesquisadores só podem renderizar imagens até oito milimetros cúbicos de tamanho, com resoluções chegando aos 200,000 voxels por segundo. Estes pesquisadores esperam que esta tecnologia seja mais utilizada no futuro, mas quem sabe, este poderá ser o inicio dos hologramas interativos, ou até dos computadores táteis flutuantes como os do Tony Stark.

Em baixo poderá ver o plasma flutuante em ação:




Fonte:
engadget
Imagens retiradas de:
SPECTRUM

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

GoPro anuncia Hero 6 Black, a câmara 360 Fusion e novas funcionalidade para o drone Karma

GoPro Hero 6 Black

Após uma espera ansiosa a GoPro revelou a mais recente da sua série de Heros, a Hero 6 Black, que tendo um design semelhante à Hero 5 Black, está repleta com um novo processador desenhado pela GoPro chamado GP1, que oferece melhor qualidade e desempenho de imagem.

Para os iniciantes, esta é a primeira vez que a GoPro desenvolveu e usou o seu próprio processador especializado. Este processador duplica o frame rate/fps da Hero 5 Black. Grava 4K a 60fps e 1080 a uns enormes 240fps. Praticamente falando, isto significa que o utilizador poderá reproduzir o seu vídeo de 4K a uma velocidade de 40% (se a edição final for a 24fps) e será agradável e suave.

A GoPro afirma também que a Hero 6 Black possui a mais avançada estabilização de qualquer uma das suas câmaras, mas ainda é uma estabilização eletrónica de imagem e não a estabilização de imagem ótica/OIS. A estabilização eletrónica geralmente custa um pouco de qualidade de imagem, mas a Hero 6 Black consegue gravar em 4…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …