Avançar para o conteúdo principal

Google construiu um museu virtual

A gigante Californiana lançou uma grande reformulação a uma aplicação incomum: Google Arts & Culture.

Disponível em ambos iOS e Android, esta aplicação contém imagens de arte de milhares de artistas, imagens históricas e documentos, e passeios virtuais a locais importantes culturalmente em todo o mundo.
"Assim, como as obras de arte e monumentos preciosos do mundo precisam de um toque para ficarem no seu melhor, a casa que nós construímos para acolher todos os tesouros culturais do mundo online também precisa de uns retoques de vez em quando. Estamos prontos para retirar os arquivos do pó e introduzir o novo site e aplicação do Google Arts & Culture. A aplicação deixa o utilizador explorar qualquer coisa a partir de gatos em arte, desde 200 a.C, até à cor vermelha no expressionismo abstrato, e muito mais."

"As nossas novas ferramentas irão ajudar o utilizador a descobrir obras e artefactos, o que permitirá mergulhar em experiências culturais por toda a arte, história e maravilhas do mundo, a partir de mais de um milhar de museus por 70 países."

É tudo atirado junto numa espécie de miscelânea, sem finalidade, obviamente, utilitária. Muito parecido com um museu tradicional, na verdade.

Também poderá dar um passeio virtual (usando a tecnologia do Google Street View) pelo Forte Sheikhupura no Paquistão, ler um artigo sobre a história da música brasileira, ou dar uma olhadela numa galeria de trabalhos feitos pelo pintor do século XV, Andrea Mantegna.
É agora compatível também com o Google Cardboard - dispositivo simples, divertido e barato onde se pode experienciar a realidade virtual. Poderá utilizá-lo para passear em redor do Templo de Zeus, na Grécia, ou ver arte de rua na Roma moderna.

Esta aplicação contém mais de 65,000 pinturas, cerca de 8,000 fotos, 19,000 objetos de barro, 7,000 esculturas, 202 objetos de mogno e quatro feitos em cinábrio, entre inúmeros outros.

Um dos aspetos mais interessantes da aplicação é a funcionalidade de reconhecer arte. Esta utiliza a câmara do smartphone para reconhecer arte em certos museus, que, por enquanto, são o Dulwich Picture Gallery, em Londres, a Galeria de Arte de Nova Gales do Sul, em Sydney e a Galeria de Arte Nacional, em Washington DC, fornecendo, de seguida, mais informações.

O Google afirma que pretende trazer esta funcionalidade para mais museus à medida que o tempo passa: "Estamos a planear trazer isto para museus em redor do mundo, portanto, fique atento."

Também aponta para o nosso futuro que está a ficar cada vez mais conectado - em que uma camada suplementar digital está a ser aumentada cada vez mais do mundo real com informação e contexto que pode ser acedido quando necessário.
Há muito mais para aprender sobre o nosso património cultural comum. Faça já o download da aplicação para iOS ou Android e descubra um mundo de experiências, todos os dias.

Fonte:
Business Insider
Google Blog

Mensagens populares deste blogue

GoPro anuncia Hero5 Black, Hero5 Session e um drone

Depois de terem vindo a anunciar uma nova câmara durante meses, a GoPro, finalmente, tem dois novos modelos a Hero5 Black a 429,99€ e a Hero5 Session a 329,99€. Ambas as câmaras serão lançadas dia 2 de outubro.
A primeira é uma revisão completa e uma nova câmara flagship (importante) para a marca. A outra é uma versão melhor do modelo original de 2015, mas com menos funcionalidades principais que a Black tem, para ajudar a tornar algumas decisões mais fáceis.

Ambas as câmaras são impermeáveis até 10 metros sem proteção. As câmaras GoPro anteriores eram apenas resistentes e à prova de água quando numa caixa de policarbonato, e lidar com estas caixas era um aborrecimento. Presumivelmente haverá caixas de mergulho para aqueles que querem ir mais fundo ou que precisam de proteção contra choques, mas o consumidor poderá simplesmente tirar a câmara da caixa e ir para a praia e surfar com esta.
A GoPro também introduziu o que chama de estabilização eletrotécnica de imagem, de nível profiss…

Solar Impulse 2 completa volta ao mundo apenas com energia solar

"Este voo representa o enrolar mais incrível desta aventura."

História foi feita muito cedo no dia 26 de julho, quando o primeiro voo tripulado, de só um lugar, alimentado exclusivamente por energia solar, foi concluído.
BREAKING: we flew 40'000km without fuel. It's a first for energy, take it further! #futureiscleanpic.twitter.com/JCvKTDBVZx — SOLAR IMPULSE (@solarimpulse) 26 de julho de 2016 A circum-navegação movida a energia solar começou em Abu Dhabi em março de 2015, e a viagem, originalmente, deveria ter terminado cerca de cinco meses depois, em agosto. Mas uma combinação de tempo e falhas técnicas levaram a atrasos significativos, sendo que a aeronave Solar Impulse 2 passou a maior parte do inverno passado num hangar havaiano.

O voo de 40 mil quilómetros foi partilhado entre André Borschberg e o recordista em balões de ar quente, Bertrand Piccard, que alternaram as 17 etapas da viagem entre eles. A parte mais longa no ar ocorreu entre Japão e Havai, que, …

"Aranha" robot da Lockheed Martin procura pequenos buracos em dirigíveis, e de seguida, corrige-os

A indústria dos dirigíveis não é grande, mas poderia ser muito mais, e lucrativa, para os envolvidos, se houvesse uma maneira fácil e barata de reparar buracos nestes. Felizmente a Lockheed Martin está em cima do acontecimento, tendo desenvolvido uma "aranha" robot para andar por toda a cobertura do dirigível, procurando buracos reparando-os de seguida.

Os reparos são um grande problema num dirigível em andamento. Mesmo com os buracos mais pequenos, grande parte da eficiência da aeronave perde-se, por isso manter a cobertura arranjada é incrivelmente importante. Antes da existência deste robot, procurar e reparar este buracos envolvia muita mão de obra, pela cobertura, para os encontrar.
Isso parece tão século XX, de modo que os investigadores da Lockheed Martin desenvolveram a SPIDER (aranha): um "instrumento de propulsão automático para avaliação e reparação de danos nos dirigíveis". Este dispositivo tem montado uma série de fios o que faz parecer que seja mesmo…